Search

Wait a minute, while we are rendering the calendar

There’s No Upside...

Michael Leavitt shares his innermost thoughts as they relate to his personal and family life. He can be heard to say often to his kids... “There’s no upside!”


NOTE: If you are interested in Michael’s business inspection related blog, then click on Bloggers in the left column and select Michael - Inspector.

Out of Small Things... My Brazil Missionary Journals

Out of Small Things... My Brazil Missionary Journals

Tradução Português - veja abaixo

b2ap3 thumbnail Michael LeavittFellow LDS missionaries, family and friends, I look back so fondly on the two years of my mission that helped shape the way I have spent the last 27 years since I have returned home. Some of you know that I turned 25 the last day of my stay in the MTC and I was so thankful to be able to serve the Lord as a missionary. I wrote at least one full page in my journal almost every day for those two years. About 5 months in, my companion developed walking pneumonia and we spent a couple weeks indoors and I took the time to integrate my photos into the journal and then had the first two volumes bound in leather and titled, "O Livro de Miky" or "The Book of Miky".

b2ap3 thumbnail Volume1The idea for leather binding came when I visited the mission home in Porto Alegre and one of the Elders had their paperback version of "Mormon Doctrine" leather bound. I carried my first two volumes to Porto Alegre with Elder Aravena by my side for protection. I felt like Joseph Smith transporting the plates of gold, as my journals were precious to me and I hoped that nothing would happen to them either while transporting them, and/or during the binding process. I still remember how I felt when I returned and saw them bound with gold trimming. Those two books confirmed Alma 37:6 from the Book of Mormon which states...

6 Now ye may suppose that this is foolishness in me; but behold I say unto you, that by small and simple things are great things brought to pass; and small means in many instances doth confound the wise. (Alma 37:6)

Keeping my promise to write everyday seemed like such a small and foolish thing to many in the mission field, but for me it was a very important small thing that turned into a great blessing in my life. After formatting the first two volumes and establishing the pattern, it became easier for me to write about the events of each mission work day and take appropriate pictures. Out of these small actions came my treasured 9 volume set of "O Livro de Miky" that includes a photo album of life immediately before my mission as well as another with just the MTC. The other 7 volumes are separated into the different cities where I worked. The writings are very personal and as I now return to any of the days the memory cells of my brain are opened up and I can re-experience and remember many of the feelings I had on that particular day. I am amazed at the honesty and broad spectrum of items I chose to write about. On rough days, I have found that I was brutally honest. When there were companionship issues, I shared them. When there were huge successes, I wrote about our feelings of joy in our missionary efforts. When I pisou no bola (stepped on the ball) I tactfully shared the event in a manner to convey the issue without tarnishing the honor of the missionary calling.

b2ap3_thumbnail_MDL-Journals2.jpg

My office bookshelf features my journals surrounded by other Gaucho items and trophies from life. I can grab a volume and immediately be transported back to the days walking on the cobblestone and dirt roads from Sao Borja to the west, Novo Hamburgo to the east, Criciuma to the north, and the little Santa Terezinha mountain south in Porto Alegre. Then throw in Rosario do Sul, Sapucaia do Sul, and Cruz Alta, and I covered a lot of miles in both Rio Grande do Sul and Santa Catarina.

b2ap3_thumbnail_SaoBorja3.jpg

It brings tears to my eyes as I received word from my very first area earlier this week that many of the people I worked with have stayed strong in the faith. Learning that there are now two chapels in a city where we met in a small rented house with about 35 people in church each Sunday is overwhelming. Out of small things (four young Elders), great things have come to pass. The great things are the families and individuals that we touched while sharing the gospel. As we powerfully shared our testimony that God lives and that Jesus is the Christ, it helped others discover those truths for themselves and their lives became blessed, according to their faithfulness.

I read through several of my entries and found issues troubling our investigators and steps we took to help pray and reinforce their tender young testimonies so that they could draw upon the powers of heaven for the strength to obey the commandments. Some of our investigators struggled with alcoholism. Others struggled with cigarettes and drugs. For some it was marital stress that usually resulted from alcohol abuse. What I quickly learned on my mission was that each one of us has a cross to bear. For some, the struggles are very obvious to everybody, while others have very inward struggles. Health issues and depression were also very common, and helping them turn their hearts to the Lord and pleading for His help to carry their burdens was a key part of our missionary service.

b2ap3_thumbnail_SB-Ledesmo.jpg

Joao Ledesmo and his family was the first family that I came to love in Brazil. They were so patient with me as I was adapting to life in the most southern state of Brazil. They laughed with me, cried with me, and helped teach me about the Gaucho (Brazilian cowboy). Our Mission President, President Pedro Brassanini, must have really loved me because the moment I arrived in Porto Alegre, he decided (with the Lord's guidance) to put me on a bus and send me as far away from the Mission Home as was possible without leaving the country. Yes, Sao Borja was the furthest area with our missionary area ending on the shore of the Uruguay River, with Argentina on the opposite shore. What I quickly learned was that nobody in Sao Borja spoke Portuguese. Instead, they took some Portuguese, Spanish, Castiliano, and a whole bunch of cowboy Gaucho terms and mixed them all together to form the language of the Gaucho. Most of the common words and phrases they were using were nowhere to be found in the Portuguese to English dictionary that hung from a lanyard around my neck. My companion, Elder Udo Muzeka, and the Ledesmo family taught me to love my new surroundings.

b2ap3_thumbnail_SB-Gaucho.jpg

So where am I going with all of these ramblings? Well I was able to capture a lot of my feelings in my mission journals. During this past week I was added to the Facebook list for LDS missionaries that served in Sao Borja, Brazil. I was reunited online with the members of the Church of Jesus Christ of latter Day Saints in Sao Borja, Brazil and I am now "Friends" with Joao Ledesmo. Thanks to the internet and social media, I look forward to learning more about his life in the last 27 years. I have opened that first volume of "O Livro de Miky" and I have been reading of the struggles of my first few weeks in Brazil. Due to my poor language skills at that time, I was virtually alone as I walked along with my companion during the cold winter rains of August on those muddy streets in Sao Borja. The rain helped me conceal my tears that freely flowed as I plead with the Lord to receive the gift of tongues to help me understand those around me. I was broken down and humbled (both of which I needed), to the point that I could become fully dedicated to the missionary work. During those days there was nobody in Sao Borja that spoke English, so I felt very out of place. It also took a couple of weeks before the first U.S. letters from home arrived, and this also left me feeling very alone. The only solution was to lose myself in the work and trust in the Lord.

b2ap3_thumbnail_FBProfilePic2012_640_20140815-141504_1.jpg

Out of small things, great things shall come to pass. When I received Facebook posts from Sao Borja this past week, I pulled my family together and shared with them photos and stories from my short nine weeks spent there. My family has once again been touched by those experiences then, and are brought to the memory of the fact that we are placed on this earth to help touch the lives of others. I often wondered what would have happened if I had not decided to serve the Lord. Would the same people have been baptized? Were there families brought into the church specifically because my companions and I decided to serve at the time we did? I know the answer to those questions. I know that some of those I helped to teach were touched by my presence specifically. I had success with many people that other Elders had little or no success. And I am sure that they had success with people that I struck out trying to reach. What I know for sure is that my 24 months of time in Brazil was well invested as I worked together with my companions to help bless the people in the areas we served. I know that the time I invested in my mission journals was not wasted as the experiences contained within their pages continue to give me strength and also inspire my wife, our children, and eventually their children. And while the leather bound books themselves are great, the greater blessings are the kids being raised in righteousness in my family, the families of my companions, and all of the families of those we helped share the gospel in Brazil.

Keep strong in the faith!

Michael Leavitt * Orem, Utah * www.MichaelDLeavitt.com * Porto Alegre, Brazil 1986-88


PORTUGUESE TRANSLATION

Missionários companheiros e amigos, eu olho para trás tão carinhosamente sobre os dois anos da minha missão, que ajudaram a moldar a maneira que eu passei os últimos 27 anos desde que eu voltei para casa. Alguns de vocês sabem que eu virei 25, o último dia da minha estadia na MTC e eu estava tão grato a ser capaz de servir ao Senhor como missionário. Escrevi pelo menos uma página inteira no meu diário quase todos os dias durante esses dois anos. Cerca de 5 meses, meu companheiro desenvolveu pneumonia andando e passamos algumas semanas dentro de casa e eu levei um tempo para integrar as minhas fotos para a revista e, em seguida, teve os dois primeiros volumes encadernados em couro e intitulado "O Livro de Miky" ou "The Book of Miky ".

A ideia para a ligação de couro veio quando eu visitei a casa da missão em Porto Alegre e um dos anciãos tiveram sua versão de bolso de couro "Mormon Doctrine" obrigado. Eu carreguei meus dois primeiros volumes para Porto Alegre com o Élder Aravena ao meu lado para a proteção. Eu me senti como Joseph Smith transporte das placas de ouro, como meus diários eram preciosos para mim e eu esperava que nada iria acontecer com eles ou quando transportá-los, e / ou durante o processo de vinculação. Eu ainda me lembro como me senti quando voltei e vi presos com ouro de corte. Esses dois livros confirmou Alma 37: 6 do Livro de Mórmon, que afirma ...

6 Ora, podes supor que isto seja tolice de minha parte; mas eis que te digo que é por meio de coisas pequenas e simples que as grandes são realizadas; e pequenos meios muitas vezes confundem os sábios. (Livro de Mórmon | Alma 37:6)

Mantendo minha promessa de escrever todos os dias parecia uma coisa tão pequena e tola para muitos no campo missionário, mas para mim foi uma pequena coisa muito importante que se transformou em uma grande bênção em minha vida. Depois de formatar os dois primeiros volumes e estabelecer o padrão, tornou-se mais fácil para mim escrever sobre os acontecimentos de cada dia de trabalho da missão e tirar fotos apropriadas. Dessas pequenas ações veio meu precioso volume 9 set de "O Livro de Miky", que inclui um álbum de fotos da vida imediatamente antes de minha missão, bem como um outro com apenas o MTC. Os outros sete volumes são separados em diferentes cidades onde trabalhei. Os escritos são muito pessoais e, como eu agora voltar a qualquer um dos dias, as células de memória do meu cérebro estão abertas e posso re-experimentar e lembrar muitos dos sentimentos que tive naquele dia em particular. Estou espantado com a honestidade e amplo espectro de itens que eu escolhi para escrever sobre. Em dias difíceis, eu descobri que eu era brutalmente honesto. Quando havia problemas de convivência, eu compartilhei eles. Quando havia grandes sucessos, escrevi sobre os nossos sentimentos de alegria em nossos esforços missionários. Quando pisou sem bola (pisou na bola) Eu com tato compartilhou o evento de uma forma de transmitir a questão sem macular a honra da vocação missionária.

Meu escritório estante apresenta meus diários cercados por outros itens Gaúcho e troféus de vida. Eu posso pegar um volume e ser imediatamente transportado de volta para os dias de caminhada sobre os paralelepípedos e estradas de terra de São Borja, a oeste, Novo Hamburgo, a leste, Criciuma, ao norte, ea pequena montanha de Santa Terezinha do Sul, em Porto Alegre. Depois, jogue em Rosário do Sul, Sapucaia do Sul, e Cruz Alta, e eu cobri um monte de milhas em ambos Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Ele traz lágrimas aos meus olhos como eu recebi a notícia da minha primeira área no início desta semana que muitas das pessoas com quem trabalhei ter ficado forte na fé. Ao saber que agora existem duas capelas em uma cidade onde nós nos encontramos em uma pequena casa alugada com cerca de 35 pessoas na igreja todos os domingos é esmagadora. De pequenas coisas (quatro jovens anciãos), grandes coisas têm vindo a passar. As grandes coisas são as famílias e indivíduos que tocaram ao compartilhar o evangelho. Como nós poderosamente compartilhado nosso testemunho de que Deus vive e que Jesus é o Cristo, que ajudou os outros a descobrir as verdades para si e para as suas vidas tornaram-se abençoados, de acordo com a sua fidelidade.

Eu li através de várias das minhas entradas e encontrou problemas que incomodam os nossos investigadores e os passos que tomou para ajudar a orar e reforçar os seus tenros testemunhos de modo que eles poderiam basear-se os poderes dos céus para a força para obedecer os mandamentos. Alguns dos nossos investigadores lutou contra o alcoolismo. Outros lutaram com cigarros e drogas. Para alguns foi o estresse conjugal que geralmente resultado de abuso de álcool. O que eu aprendi rapidamente em minha missão foi a de que cada um de nós tem uma cruz para carregar. Para alguns, as lutas são muito óbvio para todos, enquanto outros têm lutas muito íntimas. Problemas de saúde e depressão também eram muito comuns, e ajudando a transformar seus corações ao Senhor e pedindo a Sua ajuda para transportar suas cargas foi uma parte fundamental do nosso serviço missionário.

Joao Ledesmo e sua família foi a primeira família que eu aprendi a amar no Brasil. Eles eram tão paciente comigo, como eu estava se adaptando à vida no estado mais meridional do Brasil. Eles riram comigo, chorou comigo, e ajudou a me ensinar sobre o Gaucho (cowboy brasileiro). O nosso Presidente de Missão, o presidente Pedro Brassanini, deve ter realmente me amava porque no momento em que cheguei a Porto Alegre, ele decidiu (com a orientação do Senhor) para me colocar em um ônibus e me enviar o mais longe a Casa da Missão, como era possível sem deixar o país. Sim, São Borja foi a área mais distante com a nossa área missionária terminando na margem do Rio Uruguai, com a Argentina, na margem oposta. O que eu aprendi rapidamente é que ninguém em São Borja falava Português. Em vez disso, eles levaram algumas Português, Espanhol, Castiliano, e um monte de cowboy termos Gaúcho e misturado-los todos juntos para formar a linguagem do gaúcho. A maioria das palavras e frases que eles estavam usando não estavam comum de ser encontrado no Português para Inglês dicionário que pendia de uma corda ao redor do meu pescoço. Meu companheiro, o Élder Udo Muzeka, ea família Ledesmo me ensinou a amar meu novo ambiente.

Então, onde é que eu vou com todas essas divagações? Bem, eu era capaz de capturar muitos dos meus sentimentos em meus diários de missão. Durante a semana passada eu estava adicionado à lista Facebook para missionários SUD que serviam em São Borja, Brasil. Eu estava reunido em linha com os membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dia em São Borja, no Brasil e eu estou agora "Friends" com João Ledesmo. Graças à internet e mídias sociais, estou ansioso para aprender mais sobre a sua vida nos últimos 27 anos. Eu abri esse primeiro volume de "O Livro de Miky" e eu tenho lido das lutas dos meus primeiras semanas no Brasil. Devido às minhas competências linguísticas pobres naquela época, eu estava praticamente sozinho enquanto eu caminhava junto com meu companheiro durante as chuvas de inverno frio de agosto sobre essas ruas enlameadas em São Borja. A chuva me ajudou a esconder minhas lágrimas que fluíam livremente como eu suplicar ao Senhor para receber o dom de línguas para me ajudar a entender os que me rodeiam. I foi discriminado e humilhado (tanto que eu precisava), a ponto de que eu poderia me tornar totalmente dedicado à obra missionária. Durante esses dias, não havia ninguém em São Borja, que falava Inglês, então eu me senti muito fora do lugar. Ele também levou um par de semanas antes das primeiras letras dos Estados Unidos a partir de casa chegou, e isso também me deixou sentindo muito sozinho. A única solução era perder-me no trabalho e confiança no Senhor.

De pequenas coisas, grandes coisas deve vir a passar. Quando recebi Facebook postos de São Borja na semana passada, eu puxei a minha família e compartilhou com eles fotos e histórias dos meus curtas nove semanas passei lá. Minha família foi novamente tocado por essas experiências, então, e são trazidos para a memória do fato de que somos colocados na terra para ajudar a tocar as vidas de outras pessoas. Muitas vezes me perguntei o que teria acontecido se eu não tivesse decidido a servir ao Senhor. Será que as mesmas pessoas foram batizadas? Havia famílias trazidas para dentro da igreja, especificamente porque os meus companheiros e eu decidi servir no momento em que fez? Eu sei a resposta para essas perguntas. Eu sei que alguns dos que eu ajudei a ensinar foram tocados pela minha presença, especificamente. Eu tive sucesso com muitas pessoas que outros anciãos tiveram pouco ou nenhum sucesso. E eu tenho certeza que eles tiveram sucesso com as pessoas que eu bateu para fora tentando atingir. O que eu sei com certeza é que os meus 24 meses de tempo no Brasil foi bem investido como eu trabalhei junto com meus companheiros para ajudar a abençoar as pessoas nas áreas que serviram. Eu sei que o tempo que investiu em meus diários de missão não foi desperdiçado como as experiências contidas em suas páginas continuar a me dar força e também inspirar a minha mulher, os nossos filhos, e, eventualmente, seus filhos. E enquanto os encadernados de couro próprios livros são grandes, as maiores bênçãos são as crianças sendo criadas em justiça na minha família, as famílias dos meus companheiros, e todas as famílias das pessoas que ajudaram a compartilhar o evangelho no Brasil.

Mantenha forte na fé!
Michael Leavitt * Orem, Utah * www.MichaelDLeavitt.com * Porto Alegre, Brasil 1986-1988

Billy #$%#$% - Humor Kept Me Safe - Part IX of “I...
Teach to Learn - Scott Knecht's New Blog

Comments

 
No comments yet
Facebook
TIPS - Michael Leavitt
Twitter - Michael Leavitt
YouTube - Michael Leavitt
Google+ Linked In - Michael Leavitt Blog - Michael Leavitt
Zillow - Michael Leavitt
             
Zillow - Michael Leavitt